Complicações em feridas cirúrgicas: é possível prevenir?

Estima-se que as complicações das feridas cirúrgicas sejam uma das principais causas globais de morbidade após a cirurgia afetando cerca 1-4% dos pacientes após as cirurgias. Mesmo com os avanços das técnicas cirúrgicas, das boas práticas intraoperatórias, das novas tecnologias de curativos para feridas e um conhecimento amplo sobre cicatrização de feridas, as complicações das feridas cirúrgicas são um desafio para os profissionais de saúde.

Mas o que são complicações da ferida cirúrgica?

Segundo o painel de especialistas “International Surgical Wound Complications Advisory Panel (ISWCAP)”, uma complicação de ferida cirúrgica é definida como uma interrupção na cicatrização normal da ferida incisional após a cirurgia. Alguns exemplos de complicações incluem:

  • Infecção do sítio cirúrgico
  • Deiscência da ferida cirúrgica
  • Hipergranulação
  • Maceração peri-ferida
  • Lesões de pele relacionadas aos adesivos médicos

A identificação precoce dos fatores de risco envolvidos no desenvolvimento destas complicações é essencial para as medidas preventivas. O gerenciamento dos riscos é um processo complexo, pois envolve fatores relacionados ao paciente, ao ambiente e cirúrgicos e como estes se relacionam. A avaliação pré, intra e pós operatórias são primordiais para a prevenção e manejo adequado destas complicações.

Procure um especialista!!!!

Boas práticas na prevenção de complicações em feridas cirúrgicas

  1. Plano de prevenção do paciente: cuidado focado e individualizado
  2. Práticas baseadas em evidências: seguir as recomendações locais e nacionais para prevenção de infecção do sítio cirúrgico. Vigilância pós alta é essencial.
  3. Fácil acesso das informações cirúrgicas: para o cuidado em nível hospitalar e de atenção primária. Comunicação.
  4. Abordagem multidisciplinar: médico cirurgião, enfermeiro estomaterapeuta, nutricionista são alguns exemplos.
  5. Antibioticoterapia: se suspeita de infecção, a avaliação médica é extremamente importante para identificação e tratamento específicos.
  6. Engajamento do paciente: auxilia na identificação precoce de qualquer sinal de complicação.
  7. Documentação adequada: todas as características e complicações da ferida cirúrgica devem ser descritas de forma adequada e precisa, com uso de definições padronizadas globalmente.
  8. Pesquisas: a expansão do conhecimento científico determina melhores práticas para prevenção destas complicações e no advento de tecnologias avançadas para tratamento das feridas.
  9. Indicadores de qualidade: resultados devem ser descritos e relatados pelos serviços de saúde, pois permitem uma compreensão global da prevalência das complicações em feridas cirúrgicas e direcionam metas de cuidado.

Prevenção é fundamental nas complicações em feridas cirúrgicas!!!

Referência Bibliográfica:

Wounds International. International best practice recommendations for the early identification and prevention of surgical wound complications. 2020.